Lançada a Campanha da Fraternidade de 2018.

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Nacional

1108398 mcamgo edit 14021807125 1737906 phixrCandidatos nas eleições de outubro que promovam a violência não terão apoio da Igreja Católica. O anúncio feito nessa quarta-feira (14) pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi feito durante o lançamento da Campanha da Fraternidade de 2018.

Segundo o arcebispo metropolitano do Brasil, o cardeal Sérgio Rocha, a instituição quer dar um fim à violência. “É lamentável que se apresente soluções para superar a violência com mais violência. A Igreja, é claro, nessas eleições, como sempre faz, estará orientando os próprios eleitores, não substituindo a consciência dos eleitores, mas sim ajudando a formar consciência” destacou o cardeal.

A cúpula da Igreja Católica também afirmou ser favorável à campanha do desarmamento, indo de encontro a opinião de Jair Bolsonaro (PSC-RJ), um dos presidenciáveis. Bolsonaro é católico, mas defende o armamento e a violência como elemento para diminuir os índices de criminalidade no país. Ele tem ampliado sua ligação com o eleitorado evangélico. Lideranças evangélicas, no entanto, ainda não se manifestaram sobre o apoio a Bolsonaro.

Críticas ao governo Temer

Durante o lançamento da Campanha da Fraternidade, a CNBB também criticou as reformas propostas pelo governo de Michel Temer (MDB). O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner criticou as iniciativas do presidente nacional. “São violência, nós sentimos isso. Vejo que até o Carnaval, no enredo, mostrou tanto a violência quanto a corrupção, as chamadas reformas sem ouvir o povo, os aposentados” declarou Steiner.

O lançamento da campanha desse ano contou com a presença da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), que afirmou ser uma das funções do Judiciário combater à violência, sendo missão da instituição “superar as formas de violência que desaguam na sociedade”.

 

Foto divulgação

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar